terça-feira, setembro 01, 2015

CORO DE CÂMARA COMUNICANTUS ESTÁ DE VOLTA APÓS SELEÇÃO DE NOVOS CANTORES



Na terça-feira (25/08) o Departamento de Música da ECA voltou a ouvir o canto do coro pela noite. O motivo? O Coro de Câmara Comunicantus voltou aos ensaios após a escolha dos novos coralistas durante esse mês de agosto. O primeiro ensaio, regido pelo prof. Dr. Marco Antonio da Silva Ramos, contou com a presença dos 28 novos cantores do coral e dos bolsistas técnicos que, nos próximos meses, farão diversas apresentações como também ajudarão a construir a história do Coro de Câmara.





Os ensaios do Coro de Câmara acontecerão durante as terças e quartas-feiras das 19:00 às 21:40 na sala 14A ou no Auditório do Departamento de Música da ECA. As próximas apresentações do coral logo serão divulgadas no blog, Facebook e Twitter ( @comunicantus ), então fiquem atentos e não percam a nossa programação!





Aos novos membros do coral, desejamos boas vindas e um ótimo ano no Comunicantus! 

Aprovados – Coro de Câmara Comunicantus 2015


sexta-feira, agosto 07, 2015

INFORMAÇÃO SOBRE A SELEÇÃO DE BOLSISTAS PARA O CORO DE CÂMARA COMUNICANTUS

As informações abaixo são instruções para os inscritos no Programa Unificado de Bolsas da USP, no Projeto Coro de Câmara Comunicantus. 

A seleção de bolsistas será feita exclusivamente nos dias e horários abaixo, verifique atentamente as instruções. O não comparecimento nos horários de seleção ou não envio dos materiais pedidos implicará na desistência do processo seletivo. 


CORALISTAS E PIANISTAS (deverão comparecer nos dois dias, durante todo o período):

Horários de seleção:
3a feira, 11/08, das 19:30 às 22:00 – Ensaio coletivo. As partituras serão fornecidas no local. Trazer lápis e borracha para anotações. Trazer a própria garrafa d’água. Local: Auditório do Departamento de Música.

4a feira, 12/08, das 19:30 às 22:00 – Ensaio coletivo. Se necessário, os candidatos serão ouvidos individualmente para tirar dúvidas de classificação vocal.

Observação: Os candidatos coralistas e pianistas participarão dos dois ensaios. Será feito um aquecimento vocal, leitura à primeira vista (na 3a feira) e ensaio a partir do estudo das peças (na 4a feira). Se necessário, os candidatos poderão ser ouvidos individualmente, a critério da equipe de professores. 

COMUNICAÇÃO

3a feira, 11/08, das 18:30 às 19:30 – Entrevista. Sala 9A. Departamento de Música.
3a feira, 11/08, a partir de 19:30. Observação do ensaio e preparação de material de divulgação a ser enviado até 4a feira, 12/08, 20:00 (por email: comunicantus@gmail.com)

Observação: Aos candidatos de Comunicação, o que se espera é que eles observem o processo seletivo, busquem informações sobre o projeto e elaborem material de divulgação sobre o Coro de Câmara Comunicantus. Esse material, em formato livre, deverá ser entregue por email até 4a feira, 20:00. Se necessário, os candidatos poderão utilizar os computadores do Laboratório Coral.

EDITORAÇÃO

Mandar por email  (comunicantus@gmail.com) dois trabalhos de Editoração Musical em PDF, produzidos em Sibelius ou Finale. Os trabalhos deverão ser entregues até 2a feira, 10/08, às 18:00. Enviar telefone de contato. Se necessário, marcaremos uma entrevista no decorrer da semana.

Observação: Preferencialmente, mandar pelo menos um dos trabalhos para Coro.

GRAVAÇÃO EM ÁUDIO E VÍDEO
EDIÇÃO EM ÁUDIO E VÍDEO

Serão feitas entrevistas na 3a feira, 11/08, das 10:30 às 12:30, na Sala 9A.

ARQUIVO

Mandar email para comunicantus@gmail.com até 2a feira, 18:00, fazendo uma breve apresentação de sua experiência e detalhando a experiência com organização de arquivos e/ou organização de partituras. Informar se já teve experiência como arquivista de grupos musicais. Informar se tem conhecimento de Editoração Musical. Caso positivo, enviar 2 trabalhos de Editoração Musical em PDF, produzidos em Sibelius ou Finale.

Observação: Candidatos que tenham indicado Arquivo e Editoração poderão mandar os mesmos trabalhos.

PRODUÇÃO MUSICAL

Os candidatos para a bolsa de Produção Musical deverão comparecer a um dos ensaios de seleção de coralistas. Deverão chegar meia hora antes do ensaio na Sala 9A e sair depois de pós-produção. Deverão acompanhar as atividades e ajudar a solucionar as questões operacionais do ensaio. Os candidatos serão distribuídos nos dois ensaios, portanto deverão agendar com o Everton qual o dia de seu teste. Telefonar na segunda-feira (10/08) e agendar o horário com Everton (30914005), das 9:30 às 11:30  e 13:30 às 17:30, ou nas Sala 9 do Departamento de Música da ECA-USP, nos mesmos horários. 


 Contato: 30914005 (com Everton), comunicantus@gmail.com. 
Escritório do Comunicantus: Departamento de Música da ECA-USP, sala 9A. 


segunda-feira, agosto 03, 2015

Testes para novos coralistas

 Os coros do Comunicantus começam seus ensaios esta semana e estão com inscrições abertas.

O CORAL DA TERCEIRA IDADE DA USP ensaia às 6as feiras, das 14 às 16horas. Os coralistas já inscritos terão o primeiro ensaio no dia 7 de Agosto.

Já os novos interessados deverão comparecer dia 14 de Agosto, às 14h, na Sala 9, para a atividade de classificação vocal. Só depois de ouvir todos os candidatos serão definidas as vagas disponíveis.



O CORAL ESCOLA COMUNICANTUS ensaia às 6as feiras, das 18:30 às 20:40. O primeiro ensaio é dia 7 de Agosto. Novos interessados podem comparecer nos dias 7 e 14, às 18h, mas devem se programar para ficar até o final do ensaio, às 20:40.



O Comunicantus é um projeto de ensino e extensão, supervisionado pelos professores Marco Antonio da Silva Ramos e Susana Cecilia Igayara. Possui uma equipe de alunos de graduação e pós-graduação que realizam as atividades com os coralistas, a partir de uma disciplina que discute e orienta as práticas multidisciplinares em Canto Coral. 

terça-feira, julho 28, 2015

Bolsas abertas para projeto do Coro de Câmara Comunicantus: Arte, ensino e tecnologia

TEREMOS O CORO DE CÂMARA COMUNICANTUS
DE BOLSISTAS NOVAMENTE!!!

Coralistas: Podem se inscrever alunos de toda a USP que saibam ler música fluentemente e que tenham prática anterior em Canto Coral. 

Pianista: Fluência em leitura à primeira vista e acompanhamento.

Bolsas técnicas: Arquivo musical, Editoração, Produção Musical, Comunicação, Produção e Edição em Áudio e Vídeo.


   Boas Notícias!


Foi aprovado o projeto que enviamos ao 
Edital Unificado de Bolsas, chamado


“CORO DE      CÂMARA COMUNICANTUS: ARTE, ENSINO E TECNOLOGIA”.




O edital é novo e o processo é diferente de todas as bolsas anteriores, mas é preciso fazer o seguinte caminho: entrar no Júpiter, Gestão de bolsas, Programa de bolsa unificada, Unidade: ECA, projeto Coro de Câmara (na primeira página). Não se esqueça de confirmar ao final e mandar um email para 

comunicantus@gmail.com

 avisando que fez a inscrição para podermos acompanhar o processo no dia em que a lista chega até nós.


AS INSCRIÇÕES ESTÃO ABERTAS só até dia 05 de AGOSTO e não há nenhuma exigência prévia para inscrição, nem mesmo de inscrição prévia no PAPFE- SAS.


Só depois disso será feita a seleção, entre 6 e 20 de Agosto.


Portanto, nossa enfática recomendação é que  TODOS OS INTERESSADOS se inscrevam. 


Link do edital do projeto Coro de Câmara Comunicantus


No primeiro dia de aula, 03 de Agosto, 2a feira, às 11:45, faremos uma reunião de esclarecimento sobre o projeto,  no  auditório do Departamento de Música da ECA-USP.  


É a nossa única oportunidade de retomar a atividades do Coro de Câmara, já que todo o sistema de bolsas da USP mudou. Fizemos também algumas adaptações no projeto, que agora terá dois ensaios semanais.

Confirmação das Inscrições: 
comunicantus@gmail.com



Dê uma olhada no link abaixo para escutar e saber mais do Comunicantus:



Até Agosto! 

Coordenação do Comunicantus: Laboratório Coral
Marco Antonio da Silva Ramos, coordenador do Projeto 







domingo, junho 14, 2015

Lançado no Reino Unido CD com repertório coral brasileiro relacionado à pesquisa em música da ECA-USP.


Foi lançado no Reino Unido, pela Delphian Records, o CD "Romaria: música coral do Brasil". O novo CD da discografia do prestigiado Gonville & Caius Choir College, sob regência de Geoffrey Webber, tem uma história particular. 

Os professores Marco Antonio da Silva Ramos e Susana Cecilia Igayara participaram das gravações feitas em julho de 2014 em Cambridge. O projeto de realizar gravações e concertos de música brasileira contemporânea foi parte da pesquisa "Perspectivas transculturais no desenvolvimento criativo de coros e regentes corais", um projeto colaborativo entre o Laboratório Coral Comunicantus, pela USP, e a Universidade de Cambridge, coordenado pelo musicólogo John Rink. 

O repertório coral brasileiro tem sido extremamente bem-recebido pela crítica especializada. Reproduzimos, abaixo, as resenhas lançadas recentemente, em tradução para o português realizada pela pesquisadora Susana Cecilia Igayara. O CD pode ser comprado pelas diversas lojas de música online. No final da postagem estão os links para os primeiros textos brasileiros, da Gazeta do Povo (Curitiba) e da Agência USP de Notícias.


Gramophone, Julho de 2015 (p. 77)

O tape da floresta tropical que abre este notável disco poderia ser um cliché brasileiro – e de certa forma é. Mas é um cliché significativo, integrante de Metaphors (1973), de Henrique de Curitiba, uma obra cujo componente coral (e material temático) é o “Et incarnatus est” do Credo da Missa quarti toni de Victoria, explorando espantosamente a escrita para soprano agudo, cantado aqui com a claridade dos sinos por Billie Robinson e Emily Kay. O atraente tape é, na verdade, uma reconstrução (o original foi perdido), parte de uma colaboração arrojada entre o Coro do Gonville and Caius e o departamento coral da Universidade de São Paulo.

A música coral brasileira, mesmo a de Villa-Lobos, dificilmente é bem conhecida fora de seu país natal, portanto este é um disco importante e revelador. A obra cativante de Curitiba é seguida por um conjunto bem mais convencional de arranjos de canções folclóricas por Ernst Mahle, e pela música de Osvaldo Lacerda para o poema “Romaria”, de Carlos Drummond de Andrade, que inclui recitação de seções do texto. Jubiabá, de Pinto Fonseca, é uma evocação de uma cerimônia de candomblé, formando um contraste brasileiro com os textos latinos cristãos tanto em Antiquae preces christianae, de Ernani Aguiar, como em Cor dulce, cor amabile e Magnificat-Alleluia, de Villa-Lobos (majestosamente executada aqui no arranjo para órgão do próprio compositor), enquanto Aylton Escobar traz juntas a cultura popular e sacra, em sua contundente Missa breve sobre ritmos populares brasileiros.
            
As mais notáveis peças aqui são Metaphors, de Curitiba, e a estonteante Ave Maria de Cláudio Santoro, mas a escuta de todas as músicas vale a pena. Muitas delas são tecnicamente exigentes mas, sob a direção inequivocamente inspirada de Geoffrey Webber, o Coro do Caius soa como se eles conhecessem intimamente esta música há anos.
Texto: Ivan Moody. Tradução: Susana Cecilia Igayara

BBC Music Magazine

Pássaros e insetos tremulando na floresta Amazônica, incluindo o som notável do Uirapuru, lançam esta antologia de música coral brasileira. Sobre eles o compositor Henrique de Curitiba sobrepõe variações a partir de um fragmento da Missa Quarti toni de Victoria, com saídas estratosféricas para soprano parodiando pássaros e sobrevoando os dois solistas.  A peça chama-se Metaphors, e é uma das sete primeiras gravações em um programa desenvolvido em conjunto com musicólogos da Universidade de São Paulo.

Não é a única obra com surpresas aqui: Osvaldo Lacerda interpola seções faladas em sua composição a partir do poema Romaria de Carlos Drummond de Andrade, e os cinco movimentos da Missa breve sobre ritmos brasileiros de Aylton Escobar brinca com diversos idiomas de danças brasileiras, interpostas com imitações de gritos de tocadores de gado, um violino rústico e um pica-pau, em boa medida. Soa como uma miscelânea, mas funciona – revigorante, nesta performance vibrantemente comprometida do coro do Gonville & Caius.

A habilidade do coro de abraçar convincentemente a variedade de influências étnicas é refletida adiante em sua abordagem de Jubiabá de Carlos A. Pinto Fonseca, em que um material de canto tribal é incorporado ao caldo cultural brasileiro, alimentado pelos imigrantes africanos. Colorações tonais quentes e excelente fusão dos naipes caracterizam as duas peças de Villa-Lobos incluídas, e a engenharia da Delphian é idealmente envolvente e empática. Este é um recital genuinamente empreendedor que merece a atenção de todo aficcionado coral.
Texto: Terry Blain. Tradução: Susana Cecilia Igayara.

The Guardian

Você pode não ter percebido que em sua vida faltava um disco de música coral brasileira contemporânea, completada com uma trilha sonora da floresta tropical e assuntos como beija-flores, jacarés, poluição e lavagem de roupa. Este álbum encantador pode convencê-lo do contrário. O título – Romaria – refere-se a peregrinação, multidões e vibração da fé. 

Com exceção de Villa-Lobos, todos os compositores incluídos nasceram no início ou no meio do século XX, alguns aindas não publicados. Seus nomes não são famliares: Henrique de Curitiba (de origem polonesa), Ernst Mahle (nascido alemão), Osvaldo Lacerda, Claudio Santoro, entre eles. Alguns usam ritmos populares brasileiros, outros olham para o passado de uma tradição cristã católica. A Missa Breve de Aylton Escobar faz uso de ambos. O coro do Gonville & Caius está entre os melhores coros mistos de colleges. Tudo o que eles fazem merece nossa atenção, especialmente esta gravação.
Texto: Fiona Maddocks. Tradução: Susana Cecilia Igayara.


The Scotsman

Pegue a exótica gravação da paisagem sonora da floresta tropical brasileira – pássaros, sapos e insetos zunindo – e sobreponha uma tomada de uma Missa de Vitória do século XVI que gradualmente se transforma em uma espetacular combinação de dois mundos vocais e você terá Metaphors do compositor brasileiro Henrique de Curitiba. É apenas uma de uma fascinante coleção de obras brasileiras escritas a partir de 1950, que constituem esta excepcional gravação pelo Coro do Gonville & Caius College de Cambridge, com seu inspirador diretor Geoffrey Webber. Os doces arranjos de Ernst Mahle, os ricos clusters sonoros do Oráculo de Prado e a saborosa Missa Breve de Aylton Escobar são atraentemente não convencionais, mas nunca totalmente heterodoxos. Uma fascinante aventura coral. 
Texto: Ken Walton. Tradução: Susana Cecilia Igayara.


The arts desk

Você vai sentir inveja de alguém que se depare com este lançamento sem conhecimento prévio. Eles vão apertar o botão “tocar” e serão atingidos por um valioso minuto de atraentes coaxares de sapos, pássaros e insetos antes que as vozes a capella roubem a cena. Bem-vindo a Metaphors, de Henrique de Curitiba, composta em 1973. Música tão surpreendentemente bela que é um choque saber que a partitura continua não publicada e que sua trilha original está perdida. Curitiba salientou que “é bom, ou melhor, ouvir as vozes da Natureza do que os sons poluidores da nossa era tecnológica...”, e felizmente, este tape recriado soa magnífico.

O último CD do Coro do Gonville & Caius College foi uma imaginativa exploração da música coral celta antiga. Este novo, desenvolvido com a assistência de acadêmicos da Universidade de São Paulo, apresenta uma exuberante seleção de música brasileira, com sua surpreendente diversidade refletindo a história imigrante do país. Villa-Lobos está representado por seu Cor dulce, cor amabile e um vibrante Magnificat-Alleluia, que recebeu um colorido extra graças à mezzo-soprano Kate Symonds-Joy. Por que a música sacra não pode ser toda tão entusiástica assim? Ou tão alegremente divertida como o “Sanctus” da Missa breve sobre ritmos populares brasileiros, de Aylton Escobar.

Mais convencionais, no entanto igualmente atraentes, são uma sequência de canções folclóricas arranjadas por Ernst Mahle, embora ainda melhor seja uma arrojada transcrição feita por Marco Antonio da Silva Ramos. A breve Jubiabá de Carlos Alberto Pinto Fonseca é extraordinária, ajudada pela contribuição estratosférica da soprano Imogen Sebba.
Romaria, de Osvaldo Lacerda, tem o texto alternadamente falado e cantado. Musicalmente mais intrigantes são os clusters ouvidos no Oráculo de Almeida Prado, e as harmonias e falas macias que dominam a Ave Maria  de Claudio Santoro.

Esta antologia poderia ser um aborrecido exercício acadêmico, mas é fabulosa. As notas de encarte do diretor Geoffrey Webber conta tudo o que você precisa saber sobre cada obra, mas meu conselho seria ouvir primeiro e ler depois. As performances são consistentemente deslumbrantes. A dicção é impecável, e o conjunto todo carrega um estimulante impacto muito “não-inglês”. Mágico, e magnificamente gravado. Que outro sub-gênero coral negligenciado irá Webber enfrentar da próxima vez?
Tradução: Susana Cecilia Igayara.

Allmusic

Este lançamento pode certamente parecer raro, considerando o seguinte: um dos mais tradicionais coros de colleges ingleses enfrenta uma coleção de música sacra contemporânea brasileira quase desconhecida fora do Brasil. A gênese do projeto é parcialmente explicada pela colaboração entre o Coro do Gonville & Caius College de Cambridge e o Departamento de Música da Universidade de São Paulo, Brasil, que escolheu o programa. Isto não diminui de forma alguma o espírito de aventura do programa, que é inteiramente agradável pelos próprios méritos.

Uma “romaria” é uma peregrinação ou procissão e o que você recebe é, com efeito, um percurso através da música coral brasileira escrita entre aproximadamente 1950 e os dias atuais. Há duas pequenas peças de Heitor Villa-Lobos e outras que seguem claramente os caminhos estabelecidos por ele, mas o que é interessante é o quanto dessa música parte do modelo de Villa-Lobos ao mesmo tempo que retém características nacionais.

O modernismo certamente teve um impacto nesses compositores, ainda que nenhum deles o adote de forma generalizada, à maneira de Ginastera. Metaphors, a obra de abertura, do compositor polonês-brasileiro Henrique de Curitiba vale o preço do ingresso por si própria; ela nunca foi publicada, e sua parte eletrônica teve que ser reconstruída de acordo com as descrições e instruções existentes.

A obra é inteiramente original: está enquadrada por gravações de sons da floresta Amazônica aos quais o texto coral, o Incarnatus da missa católica, é entrelaçado. Em outros lugares há peças influenciadas pela música afro-brasileira e pela música folclórica, todas elas com algum elemento inovador, e uma missa de Aylton Escobar (faixas 17-21) que incorpora um grande número de estilos e dá a cada parte da missa sua própria constelação estilística. Imagina-se como um coro brasileiro interpretaria esta música de forma diferente, mas o programa é cativante do começo ao fim da forma como é feito aqui. Brilhantemente diverso, corajoso, e muito fortemente recomendado.
Tradução: Susana Cecilia Igayara.

Veja também a divulgação no Brasil, com entrevista com a Prof. Susana Igayara sobre a recriação da trilha sonora de Metaphors e crítica de Osvaldo Colarusso sobre o CD:

Gazeta do Povo (Curitiba):

Projeto recriou "fita"de Henrique de Curitiba

http://www.gazetadopovo.com.br/caderno-g/projeto-recriou-fita-de-henrique-de-curitiba-eboyo83rfocj3vbkfhdyvlw16

Coral inglês grava obra de paranaense (por Osvaldo Colarusso)

http://www.gazetadopovo.com.br/caderno-g/coral-ingles-grava-obra-de-paranaense-814edxxglhcrvia3d6vsb53l6

Agência USP de Notícias

Projeto avalia ensino do canto coral no Brasil e Reino Unido

http://www.usp.br/agen/?p=212560


Links para os sites com textos em inglês:


Página do Gonville & Caius College Choir, Universidade de Cambridge

Página da Allmusic

Página do The arts desk


Página do The Guardian