quarta-feira, abril 18, 2018

Seminário de pesquisa em andamento - "O Repertório coral brasileiro e três movimentos de vanguarda do século XX", com Denise Castilho

Na quarta-feira, dia 25 de abril, às 10h, a mestranda Denise Castilho apresentará um seminário na sala 14A do Departamento de Música da ECA-USP.

No seminário, Denise falará a respeito da relação entre três atores da vanguarda do século XX e o repertório coral brasileiro. Esse atores - o movimento "Música Viva", o movimento "Música Nova" e o "Grupo de Compositores da Bahia" - exerceram uma influência relevante sobre a produção coral brasileira do século XX. Denise abordará no seminário aspectos históricos e ideológicos que os interligaram a partir da audição e da leitura de trechos de obras selecionadas.


Sobre Denise Castilho:
Mestranda em Música, pela Escola de Comunicações e Artes da USP, com bolsa concedida pela CAPES, desenvolve pesquisa pesquisa na área de repertório coral brasileiro do século XX, sob orientação da Profa. Dra. Susana Cecília Igayara. Integra o Grupo de Pesquisa nas Artes do Canto (GEPEMAC), com sede no Departamento de Música da USP. Graduada em Licenciatura em Música pela mesma instituição, atuou como regente assistente do Coral da ECA-USP por quatro anos, sob orientação do Prof. Dr. Marco Antônio da Silva Ramos. Regente coral e professora, lecionou na rede pública do Estado de São Paulo e em cursos de formação de professores. Na área coral estudou regência com Marco Antônio da Silva Ramos, Lilla Gábor e Ana Beatriz Valente Zaghi, além de participar de festivais e cursos de férias internacionais, com destaque para o Eastman Summer, da Eastman School of Music (NY-EUA), no qual estudou regência coral com William Weinert e Edward Maclary. Em 2013 passou a desenvolver trabalho com canto coral junto a pacientes portadores de Parkinson e, desde agosto de 2016, dirige o Madrigal LivrEncanto.

Seminário de pesquisa em andamento - "Arranjadores brasileiros e processos de hibridação em canto coral", com Carolina Andrade

Na quarta-feira, dia 25 de abril, a doutoranda Carolina Andrade apresentará um seminário a respeito de sua pesquisa de mestrado, já concluída. O evento acontece das 15:00 às 16:45, na sala 14A do Departamento de Música da ECA-USP.

O seminário tem como tema a pesquisa de pós-graduação de Carolina que se propõe a investigar, identificar e analisar as práticas do regente-arranjador desde a concepção do arranjo até sua performance, passando pela escolha do repertório, dos procedimentos e das técnicas de escrita e práticas de ensaios. No evento do dia 25, o foco é a discussão e a análise de processos de hibridação em arranjos corais. Com base nos conceitos de Burke (2003) e Canclini (2003), o arranjo coral é visto como um produto híbrido, como um novo objeto, e sua execução como uma nova prática. O arranjador torna-se, então, um intermediador de dois conjuntos culturais, a canção popular e as práticas corais. Confrontando gravações da canção original com a partitura do arranjo coral e a gravação de sua execução, serão demonstrados alguns dos processos de hibridação utilizados por arranjadores brasileiros nos arranjos das canções “Fantasia”, “She’s leaving home”, “Acalanto” e “O mar”.



Sobre Carolina Andrade:
Violonista, regente coral, arranjadora e professora. É doutoranda em Música pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, Mestra em Música (2017) e Licenciada em Educação Artística com Habilitação em Música pela mesma universidade (2014), tendo sido bolsista do Programa de Aperfeiçoamento de Ensino e do Programa Aprender com Cultura e Extensão. Desde 2012 integra a equipe de regentes do Coral Escola Comunicantus. Em duo com a cantora Giulia Faria, desenvolve desde 2015 o projeto “Volver a Latinoamérica”.



terça-feira, abril 10, 2018

Semana da VOZ





O dia 16 de abril - "Dia Mundial da Voz" - é uma data especial. Pensando na ocasião, o Comunicantus/GEPEMAC preparou uma semana com eventos que ressaltam os diversos aspectos da voz no canto coral.

Na terça-feira, Fred Teixeira apresentará as conclusões de seu trabalho de doutorado - o primeiro em performance musical a ser concluído na USP - na biblioteca brasiliana Guita e José Mindlin. A primeira parte da defesa é um concerto em que Fred rege o Coro de Câmara Comunicantus em um programa com obras relacionadas à sua pesquisa.

A quarta-feira tem dois eventos. O primeiro, pela manhã, é um workshop-palestra com a professora Maria José Chevitarese, da UFRJ, sobre repertório coral infantojuvenil. O segundo, à tarde, é um seminário em que Naara Santana, recentemente graduada pelo Departamento de Música da ECA-USP, apresentará alguns resultados de seu trabalho de conclusão de curso, que abordou as potencialidades da música de Tom Jobim e da Banda Nova no contexto dos arranjos corais.

Abaixo, detalhes sobre cada um dos eventos da "Semana da VOZ".

Fred Teixeira, primeiro doutorado em Performance em Regência Coral

No dia 17 de abril, uma terça-feira, às 17 horas, a sala Villa-Lobos da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin sediará um evento acadêmico que marca a história dos programas de pós-graduação em música na Universidade de São Paulo: a defesa do trabalho de doutorado de Fred Teixeira, orientado pelo professor titular em regência coral Marco Antonio da Silva Ramos. A ocasião da defesa de Fred é um tanto especial: o trabalho é o primeiro doutorado em Performance Musical concluído na USP, e os resultados da pesquisa, além de dar testemunho exemplar dos potenciais da área - que possui métodos e objetos próprios de investigação –, abre perspectivas mais concretas para futuro do pesquisa em performance musical.

O trabalho de Fred Teixeira tem como objeto central a relação entre escrita musical e interpretação, e busca compreender, do ponto de vista do intérprete, quais são os espaços criativos e seus limites dentro de uma obra musical. Para essa investigação, foi utilizada a obra coral do compositor brasileiro Osvaldo Lacerda, conhecido por sua escrita rigorosa e bastante indicativa. O trabalho propõe uma reflexão acerca do conflito entre composição e interpretação e uma análise geral da escrita composicional de Lacerda na qual se busca encontrar os espaços para criatividade do intérprete.

O momento inicial da apresentação do trabalho de Fred Teixeira é um concerto público em que ele rege o Coro de Câmara Comunicantus, grupo em que atuou como regente assistente nos últimos quatro anos. No programa estão obras de Osvaldo Lacerda que foram abordadas em profundidade na pesquisa, como Automação, Romaria, A Primeira Missa e o Papagaio e o movimento Uníssono, da obra Quatro Estudos para Coro. Além das obras relacionadas à pesquisa, o programa também conta com arranjos de música popular brasileira e obras sacras de Franz Liszt e Charles Villiers Stanford.



Professora Maria José Chevitarese fala sobre repertório coral infantojuvenil na USP


Maria José Chevitarese - professora titular de Canto Coral e diretora da Escola de Música da UFRJ - estará na USP como parte da banca de doutorado de Fred Teixeira.

No dia seguinte à defesa (quarta-feira, 18 de abril), às 10h, ela fará um palestra sobre repertório coral infantojuvenil, na sala 14A, do Departamento de Música da ECA-USP.

O evento tem apoio do PPGMUS e do Departamento de Música da ECA-USP.

Abaixo, uma entrevista com a professora na qual ela comenta sua atuação em um projeto diretamente ligado ao tema da palestra:





Seminário de pesquisa - "Tom Jobim e Banda Nova: Relação instrumental-vocal e possibilidades interpretativas", com Naara Santana


Na quarta-feira, dia 18 de abril, Naara Santana apresentará um seminário na sala 14A do Departamento de Música da ECA-USP, das 15:00 às 16:45.

O tema do seminário é o de seu trabalho de conclusão de curso, que tratou do potencial música de Tom Jobim e da Banda Nova para arranjos corais. Arranjos de música popular têm se tornado cada vez mais presentes no canto coral, e, junto a eles, vem uma imensa gama de possibilidades interpretativas, performáticas e pedagógicas, principalmente em razão do caráter de improvisação e liberdade criativa que esse repertório carrega. O seminário abordará questões como essa usando como exemplos os arranjos vocais de Tom Jobim para a Banda Nova, que explicitam exemplarmente a relação entre instrumental, solista e grupo vocal.


Sobre Naara Santana:
Naara Santana é Licenciada em música pela Universidade de São Paulo. É formada em piano popular pela EMESP Tom Jobim, onde estudou com Celinha Carmona, e estuda piano erudito pela Escola Municipal de Música com Alex Sandra Grossi. Durante seu tempo de estudo tem atuado na área de perfomance em festivais, masterclasses e grupos vocais e instrumentais, e em 2016 solou com a orquestra infanto-juvenil sob regência do Maestro Daniel Cornejo. Tem experiência coral desde 2000, cantando em coros infanto-juvenis e adultos em igrejas e escolas. Desde que começou seus estudos profissionalizantes em 2010, atuou como regente, pianista e coralista em diferentes projetos. Foi bolsista no Coro de Câmara Comunicantus entre agosto de 2013 e dezembro de 2014. É estagiária no Comunicantus Laboratório Coral desde 2013. Também atua como educadora musical e pianista em diferentes grupos.